tv semana grupo semana
     

PUBLICIDADE

Notícias
Reabertura da maternidade é o segundo passo de um longo caminho
Data publicação 11/10/2017

A Maternidade Grimaldo Barros de Paula, que se encontrava fechada desde 31 de agosto, foi reaberta de forma parcial na tarde do dia 07 deste mês. A decisão aconteceu durante reunião realizada no dia 05, na sede da Prefeitura de Caratinga, da qual participaram a promotora de justiça Flávia Patrícia Cupertino Alcântara, a assessora de Planejamento da Mesa Interventora do Hospital Nossa Senhora Auxiliadora (HNSA), Miriam Araújo Coelho, prefeitos e representantes dos municípios da microrregião, entre os quais o prefeito de Caratinga, Welington Moreira de Oliveira, o Dr. Welington, e o secretário de Saúde do município Wagner José Rodrigues Barbalho.

Na reunião, a promotora Flávia Alcântara propôs a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) pelo qual os prefeitos dos 13 municípios da microrregião se comprometem a repassar ao HNSA, a cada mês, recurso no valor correspondente a R$ 1,00 por habitante, perfazendo um total mensal de R$ 203 mil, possibilitando a reabertura parcial da maternidade. Alguns municípios já assinaram o TAC, outros deverão fazê-lo nos próximos dias.

Os esclarecimentos quanto à retomada do funcionamento da maternidade foram prestados durante coletiva à imprensa realizada na segunda-feira, 09, que além de Dr. Welington e do secretário Wagner Barbalho, contou com a participação da presidente da Mesa Interventora do HNSA, Flávia Eugênia de Souza.

Segundo Flávia Eugênia, neste momento, a maternidade está realizando atendimento somente a parturientes de risco habitual, ou seja, os casos onde não são necessárias as internações em Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) das mães e dos bebês. Neste caso, as gestantes de alto risco serão encaminhadas para hospitais de referência para partos de alto risco.

Como ela informa, o pleno funcionamento da maternidade dependerá da regula-rização dos repasses financeiros. “Tão logo aconteçam os repasses a gente re-montar a equipe, pagar para que os plantonistas retomem os plantões e a gente consiga abrir. É uma questão financeira. Hoje a gente conta com seis leitos de UTI neonatal e seis leitos de UTI adulto. O pactuado para o hospital são 10 leitos de UTI adulto, porém, devido ao déficit financeiro alguns equipamentos ainda estão em manutenção. É o que a gente tem hoje disponível, já pra funcionar. Tão logo a aconteçam os repasses, a gente vai colocar para funcionar a UTI neonatal e a UTI adulto”. Com isso, a maternidade passará a prestar, também, os atendimentos de alto risco.

Hospital
Com relação ao HNSA, cujas portas foram reabertas no dia 19 de setembro, Flávia Eugênia explicou que a unidade também está funcionando parcialmente e foi re-aberta para clínica médica, com o objetivo de oferecer retaguarda para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), inaugurada no dia 15 daquele mês.

Conforme ela ressaltou, para ser possível a reabertura do hospital foi preciso to-mar medidas drásticas, como redução do número de funcionários e redução no valor pago pelos plantões.

Além disso, ela tem procurado convencer o corpo clínico no sentido de que os médicos se disponibilizem a trabalhar apesar da dívida que o HNSA tem com eles, atualmente em torno de R$ 9 milhões, impossível de ser saldada neste momento.
Como esclarecido na coletiva, o HNSA estará acionando judicialmente os responsáveis pela grave situação em que a instituição se encontra, ou seja, quem administrou o hospital antes da intervenção. Flávia acredita que o dinheiro das indenizações resultantes dessas ações possibilitará pagar boa parte da dívida com o corpo clínico. “Tão logo o hospital comece a executar quem depreciou o patrimônio e a gente receba essas indenizações, vamos ratear e pagar”.

De acordo com o secretário de saúde de Caratinga, Wagner Barbalho, os esforços, agora, são no sentido de fazer com que o HNSA volte a prestar atendimento em sua plenitude. Neste sentido, através de um estudo técnico, está sendo solicitado junto ao Governo do Estado e ao Governo Federal o aumento nos repasses feitos ao HNSA. Esse estudo visa comprovar à Secretaria de estado da Saúde e ao Ministério da Saúde que o valor per capita repassado para a microrregião é insuficiente e inferior aos valores repassados às outras microrregiões do mesmo porte de Caratinga. No momento, o estudo já está sendo analisado pelo Governo do Estado, devendo ocorrer uma reunião nesta semana, quando ele acredita possa ser definido o aumento no repasse do Estado para o HNSA.

Por outro lado, como frisou Wagner Barbalho, em um segundo momento, o objetivo e qualificar o Hospital Nossa Senhora Auxiliadora , transformando-o em referência em alta complexidade em algumas clínicas, para a macrorregião.

 

 

FALE CONOSCO
grupoasemana@gmail.com
333322-1212
RUA JOAO DA SILVA ARAUJO, Nº 8 - SL304
CENTRO | CARATINGA-MG


Copyright JORNAL A SEMANA - © 2017 - Todos os direitos reservados.