tv semana grupo semana
     

PUBLICIDADE

Colunista - Edilson
É com você!!!
Data publicação 02/10/2018
Devido ao estado de progressiva falência moral das instituições do País, causando o apodrecimento cada vez maior dos poderes constitucionais, inclusive o outrora intocável Judiciário, nós últimos anos, nunca se ouviu falar tanto no Brasil da necessidade de mudança, de renovação na política e no combate ferrenho à corrupção.
 
A efervescente revolta da população, baseada nos incontáveis escândalos divulgados a cada dia pela imprensa de todo o País, descortinando o mais sórdido esquema de corrupção e desvio de dinheiro público da história da humanidade, foi manifestada de todas as formas. Seja nas redes sociais, nas manifestações de rua, nas reuniões familiares ou nos bate-papos nas esquinas, nos bares e botecos.
Em sua esmagadora maioria, o povo externou a sua indignação, cobrando ações efetivas para fazer cessar a desenfreada dilapidação dos cofres públicos e levar os atores da disseminada rapinagem às barras da Justiça e, consequentemente, ao merecido encarceramento, posto ser a prisão o lugar próprio aos bandidos, como bem disse no passado um atual presidiário.
 
Muito bem!... Nós estamos a apenas sete dias de podermos fazer a nossa parte e contribuir com o início das mudanças que tanto cobramos, bastando para tal afastarmos do poder ou impedir que o assumam quem tanto mentiu e nada fez, quem participou na elaboração do gigantesco esquema de apropriação do bem público, quem praticou a corrupção, quem defende criminosos e dá guarida a invasores de propriedades privadas.
 
O destino da nação, de seus filhos, de seus netos e bisnetos está nas suas mãos!... Aliás, nos seus dedos!... O futuro do nosso país nunca dependeu tanto de você como agora, quando uma escolha errada poderá gerar danos irreparáveis.
 
A crise financeira e a crise institucional pelas quais o Brasil passou e ainda passa, não têm como culpados somente quem roubou, quem se prostituiu e quem se corrompeu. Maior culpa tem quem foi leviano na hora da escolha e, quando podia ter contribuindo para eleger os bons, preferiu ceder à sedução dos maus.
 
Entorpecido pela própria inconsequência, grande parte do eleitorado brasileiro ainda não se deu conta de que ela se torna cúmplice de todos os crimes praticados pelos políticos aos quais ajudou a eleger. O eleitor do mau político é cúmplice, inclusive, das mortes dos milhares de brasileiros que se definham nas intermináveis filas dos hospitais à espera do tratamento que nunca chegará a tempo, pois os recursos capazes de financiá-lo foram desviados para contas no exterior ou emprestados a países sem condição ou intenção de pagá-los.
 
Em nosso microuniverso, é praticamente certo que, mais uma vez, calejaremos nossos tímpanos em tanto ouvir mentirosas declarações de amor e devoção à nossa terrinha. Todas elas feitas por candidatos previamente determinados a nos enganar, regurgitando promessas vãs, totalmente desassociadas com a verdade, com o propósito único de nos ludibriar, apoderando-se do nosso voto para, depois, se esquecer completamente, durante os próximos quatro anos, de uma cidade chamada “Caratinga”.
 
A justiça da democracia é outorgar a cada um de nós o direito em nos posicionarmos politicamente de acordo com as nossas convicções ou, até mesmo, conveniências.
 
Assim, ela nos permite optar em sermos destros, sestros ou alguma de suas variantes. No entanto, o futuro cobrará, de forma implacável, os possíveis erros cometidos no uso e abuso de nossa liberdade de escolha.
 
A democracia dá, inclusive, o direito à omissão. Mas, para mim, o omisso é o pior dos idiotas, não tendo moralmente o direito sequer de reclamar ou criticar o governo, tampouco de se manifestar sobre as consequências do processo eleitoral, afinal, foi convidado a participar do jogo e se acovardou.
 
As cartas estão na mesa!... Agora, é com você!


Mudar de colunista:

FALE CONOSCO
grupoasemana@gmail.com
333322-1212
RUA JOAO DA SILVA ARAUJO, Nº 8 - SL304
CENTRO | CARATINGA-MG


Copyright JORNAL A SEMANA - © 2018 - Todos os direitos reservados.