tv semana grupo semana
     

PUBLICIDADE

Colunista - Edilson
Mudou o quê?
Data publicação 28/11/2016
Baixada a poeira do tão comemorado impeachment de Dilma Rousseff, ocorrido com a expectativa de se tornar um divisor de águas, não fica muito difícil perceber que a tão desejada e necessária mudança neste “País das Maravilhas” não foi além da troca de nomes.
 
Ou seja, saíram de campo os “companheiros” da ex-presidente e entraram na farra os “parceiros” do presidente Michel Temer e desse PMDB, partido em nada menos corrupto que o dos Trabalhadores.
Você não gostou do que leu?... Então me responda!... Qual o partido de Eduardo Cunha, Renan Calheiros, José Sarney, Geddel Vieira Lima, Romero Jucá, Sérgio Cabral, Jorge Picciani, Leonardo Picciani, Eliseu Padilha, Jader Barbalho e tantos outros políticos envolvidos em esquemas de desvio de recursos públicos, que deixaram de ser investidos em Saúde, Educação, Segurança Pública e em diversos outros setores, e foram parar em contas bancárias em paraísos fiscais?
 
Por favor, peço que você me perdoe, mas, o ocorrido no Brasil faz lembrar o dito popular, certamente elaborado em algum botequim de 5ª categoria, segundo o qual só foram trocadas as moscas, pois, a “mer...” continua a mesma!
 
Como disse, anteriormente, aqui mesmo nesta coluna, de nada ou muito pouco adiantaria tirar o PT do poder e passá-lo ao PMDB se não fossem realizadas profundas mudanças nas “regras do jogo”. Afinal, o que está errado no nosso país é o sistema, que não apenas favorece a corrupção como a incentiva.
 
Saíram de cena aqueles que estavam se beneficiando das facilitações do sistema para o enriquecimento ilícito e subiram ao palco aqueles que usarão e abusarão do direito de se beneficiar do sistema. Vale lembrar que muitos dos que ascenderam ao poder, há muito tempo, já vinham fazendo dos cofres públicos a extensão do próprio bolso. 
 
Quem acompanhou as principais notícias do Brasil na última semana, mesmo sem ser um expert no assunto, percebeu que a cúpula dos partidos políticos está se mobilizando para legalizar a impunidade para quem praticou o chamado “Caixa 2” e tentar impedir que a Justiça Federal, o Ministério Público Federal e a Polícia Federal levem ao seu final a Operação Lava Jato, estabelecendo a punição de todos os envolvidos.
 
Enquanto o povo padece, devido à crise econômica em que a classe política enfiou o País, gerando falências e mais de 12 milhões de desempregados, eles só estão preocupados em livrar seus parceiros das garras da Justiça e da tão merecida Cadeia.
 
Um exemplo claro disso é o que acontece na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, onde o seu presidente, o deputado Adalclever Lopes, também do PMDB, em nada preocupado com as dificuldades enfrentadas pela população de Caratinga e região, faz das tripas coração para livrar a cara do seu amigo e companheiro Fernando Pimentel, envolvido em denúncias de participação em esquemas de corrupção.
 
Infelizmente, Adalclever Lopes não dedica o mesmo hercúleo esforço aplicado em salvar a pele do governador na busca de melhorias para Caratinga, a cidade onde obteve 17,8% dos votos que o elegeram.
 
Aí, eu lhe pergunto!... Mudou o quê?
 


Mudar de colunista:

FALE CONOSCO
grupoasemana@gmail.com
333322-1212
RUA JOAO DA SILVA ARAUJO, Nº 8 - SL304
CENTRO | CARATINGA-MG


Copyright JORNAL A SEMANA - © 2018 - Todos os direitos reservados.